Notícias

Pesquisador da UFMG esclarece sobre risco do coronavírus no esgoto

Por Redação, 24/05/2020 às 08:56
atualizado em: 28/05/2020 às 15:52

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Zig Koch / Agência Nacional de Águas
Zig Koch / Agência Nacional de Águas

Será divulgado nesta segunda-feira (25) um boletim informativo com o resultado do monitoramento do esgoto de Belo Horizonte e Contagem, na região metropolitana, após a identificação de coronavírus na rede. E a notícia é boa. De acordo com pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), não existem evidências científicas de que a covid-19 não pode ser transmitida pelo esgoto.

Desde o mês passado, pesquisadores da Escola de Engenharia da UFMG desenvolvem o trabalho. O monitoramento consiste em colher amostras das bacias dos ribeirões Arrudas e do Onça e das estações de tratamento de esgoto. 

“A presença do coronavírus no esgoto, no primeiro momento, chamou atenção da imprensa pelo lado ruim, ou seja, pelo risco desse vírus poder transmitir a doença a partir do esgoto. Então, nesse sentido, a palavra é tranquilizadora, ou seja, não existe nenhuma evidência científica que comprove a possibilidade de transmissão da covid-19 a partir do esgoto”, declarou o professor Carlos Chernicharo, do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFMG.

O professor da UFMG chamou a atenção para a necessidade de a população ter água à disposição para fazer a higiene pessoal e evitar a contaminação pela covid-19.

“O aspecto mais importante continua sendo a questão da água. As pessoas têm que ter disponibilidade de água de qualidade para lavar as mãos da higiene pessoal”, finalizou.

*Com informações de Kátia Pereira

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    "A família me procurou no início do mês, estava preocupada por ele estar sem advogado", explicou o advogado #itatiaia

    Acessar Link